sábado, 14 de fevereiro de 2015

Numerologia e os Florais - Dicas como calcular o seu ano pessoal e associar ao um floral

Para a Numerologia, além das nossas características individuais, cada pessoa vive ciclos ou fases diferentes a cada nove anos. Dentro desses ciclos, vão ocorrendo mudanças significativas, ano a ano. Assim enquanto uma pessoa vive uma época em que está apta a liberar algum de seus talentos latentes, outra se encontra no ano perfeito para desenvolver-se economicamente.

    Antes de tudo, você precisa identificar o número de seu ano pessoal, ou seja, a energia que o ano reserva para você. Para isso, some os algarismos do dia e mês de seu nascimento com o algarismo reduzido do ano em que você fez seu último aniversário. Reduza tudo a um algarismo. Por exemplo, se você nasceu no dia 16 de março, proceda assim: 16 + 03 + 8 (2015 è 2+0+1+5 = 8); 16 + 03 + 8 = 27 è 2 + 7 = 9. Portanto, seu ano pessoal é 9. No entanto, se seu último aniversário foi no dia 16 de marco, você somará 16 + 3+ 7(2014) = 8

    Considere agora que os algarismos de 1 a 9 representam os temas principais de cada ano pessoal. Podemos relacionar cada um desses temas às essências florais descobertas pelo Dr. Bach. Essas essências ajudam a enfrentar melhor as características de cada ano, permitindo que a pessoa explore ao máximo o que o período oferece.

    Antes de escolher cada essência, no entanto, você precisa levar em conta suas características pessoais e o seu contexto de vida emocional, mental e físico. Este enfoque das essências do Dr. Bach não funcionará como tratamento individualizado. É utilizado, sobretudo, como um instrumento a mais dentro das diferentes opções para se trabalhar com as essências florais.

Ano 1 - Época de inícios, de planos progressistas e realizações.     Cherry Plum para manter o controle sobre as iniciativas.
    Hornbeam para ter disposição para começar.
    Chestnut Bud para começar o ano sabendo utilizar as experiências (principalmente os erros) dos períodos anteriores.
    Walnut para preservar as suas metas, não permitindo influências exteriores.

Ano 2 - Ano de paz e tranqüilidade. Será necessário tato, diplomacia e paciência no trato com os outros. Cuidado com alguma carência afetiva.
    Impatiens para exercitar a paciência e a diplomacia.
    Heather para lidar com a carência afetiva e a necessidade de ser ouvido.
    Beech para exercitar a tolerância e o tato com os outros.

Ano 3 - A vida social estará em alta e poderão surgir inúmeras oportunidades de realização. Seu humor e otimismo deverão lhe trazer amizades e felicidades. Cuide para que o excesso de otimismo não lhe impeça de concretizar situações.
    Scleranthus para decidir-se entre as diversas oportunidades surgidas.
    Clematis para concretização.
    Walnut para receber proteção energética que ajude a saber aproveitar as oportunidades.
  

Ano 4 - Este será um ano prático, de trabalho e organização. Cuide melhor de sua saúde e enfrente novas responsabilidades.
    Mimulus para ter coragem para enfrentar as responsabilidades.
    Clematis para aproveitar a energia do ano, que é um ano de concretizações.
    Olive para cuidar da saúde, do cansaço físico e mental.
    Elm para lidar com o excesso de responsabilidades imposto pela energia do ano.
    Rock Water para lidar com a energia perfeccionista do ano.

Ano 5 - Ano favorável às viagens, mudanças e grandes paixões. Cuidado para não gastar além do que ganhar nem se exceder na busca de novidades. As várias possibilidades poderão lhe trazer dificuldades se tentar experimentar tudo ao mesmo tempo.
    Walnut para lidar com as mudanças.
    Scleranthus para saber escolher entre as diversas oportunidades surgidas.
    Wild Oat para conseguir definir sua verdadeira vocação.
    Larch para exercitar a autoconfiança e a persistência, pois a tendência será a de trocar de objetivo à primeira dificuldade surgida.
  

Ano 6 - Ano de responsabilidades familiares e deveres domésticos. Será importante saber dar e servir com amor e dedicação para poder receber alguns frutos. Não queira impor aos outros sua maneira de pensar por julgar ser o melhor para eles; permita que cada um seja como é.
    Red Chestnut para controlar o excesso de preocupação com os outros.
    Walnut e Pine para não se sentir responsável pelo que acontece aos outros.
    Vervain para permitir que cada um seja como é ao invés de ficar tentando impor seus conceitos de certo e errado.
    Chicory para controlar o desejo de manipulação imposto pela energia do ano.

Ano 7 - É um ano de estudos, de especialização, de se dedicar à atividades intelectuais e metafísicas. Poderá sentir uma tendência à timidez e a ficar só para buscar o auto-aperfeiçoamento.                                                                                Mimulus para lidar com a timidez.                                                                       Water Violet para não exagerar na tendência a ficar só.                                                 Walnut para proteção energética.
 Ano 8 - É tempo de colher o que foi semeado e cultivado desde o ano um. A razão deve predominar sobre as emoções e os sentimentos. É um ano dinâmico e materialista; procure o equilíbrio entre o material e o espiritual.                                                                                                                                                            Cherry Plum para não ter medo de perder o controle.                                                Holly para controlar os sentimentos fortes que poderão surgir num ano oito.                  Walnut para aceitar as mudanças impostas pela colheita reservada para este ano.            Elm para aprender a lidar com o excesso de materialismo.
Ano 9 - Este é um ano de terminar o que ficou por fazer e permitir que as coisas antigas se vão. A saúde poderá precisar de cuidados e poderão acontecer perdas em finanças ou em amizades. A energia deste ano é de abnegação, benevolência e filantropia.
   Honeysuckle para libertar-se do passado e resolver o que ficou pendente.                      Walnut para conseguir se desligar das coisas do passado.                                              Star of  Bethlehem para superar alguma provável perda.                                           Chicory para treinar o amor incondicional e a benevolência.                                  Willow para lavar a alma de mágoas e ressentimentos.                                                  Gentian para não perder a fé diante dos obstáculos.
http://bemzen.uol.com.br/

segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

Labirinto caminho para meditação e auto-cura


                                                                                                                         

Aquele que é capaz de entrar no labirinto do Minotauro, que é o labirinto de nossa própria mente, das escolas, seitas e religiões, sociedades e grupos sociais e sair sem se prender ou amarrar-se, este se tornou um mestre da Turba, a confusão do mundo dos homens, este, entra nos labirintos complicados das mentes dos homens e como sentinelas em tempos de guerra e em atenção plena e total não se amarram a nada, não se fascinam com nada, não se iludem com nada, estudam para compreenderem e depois partem rumo ao seu Real e verdadeiro SER, O Alfa e o Omega, O Principio e O Fim de suas existências, porém se em algum momento nos identificarmos, pronto, ficamos amarrados! E isso gerará sofrimento até rompermos o grau de ignorância ao qual estamos presos, seja a locais, a algo ou a alguém.
Levantar os véus dos mistérios requer força e coragem, irmãos! Além de ter que suportar a luz da verdade que nos traz profundos sofrimentos e padecimentos em uma primeira etapa, mas após isso enxergaremos com o olho que tudo vê, com o olho de Odin, o olho de Hórus, ou de Dagma, ou de Shiva, ou do Espírito Santo. Enxergaremos mais além do corpo, dos sentimentos e da mente, estaremos mais além dos olhos dos humanos mortais e o que era no inicio sofrimento, ignorância e escuridão se transformam em êxtase, catarse e iluminação

A verdadeira liberdade e libertação estão dentro de cada um de nós, somente dentro de nós é que encontraremos as chaves para nosso despertar e as chaves para o nosso despertar está na eliminação de todo egoísmo e todo desejo humano. Somente eliminando o ego despertaremos do profundo sono e ignorância ao qual vivemos. Porém quantos querem eliminar o ego? Quantos buscam a morte mística e a renúncia consciente dos desejos mundanos? Muito poucos, em verdade e verdade muito poucos, a grande maioria vive uma vida de sensações e prazeres passageiros e ilusórios e quando a vida acaba submergem sem nem perceberem para as camadas profundas das epidermes da terra (os infernos de Dante Alighieri).

Devemos construir nossa liberdade aqui e agora! E não esperarmos que alguém a construa por nós, a certeza é que toda construção consciente nos levará inevitavelmente para a Obra acabada, e essa obra acabada, obra prima, obra Mestra é o seu despertar e seu acordar definitivo do mundo passageiro e ilusório de Maya e Mara (que são teus desejos e egoísmos).

Poucos entenderam ao passar dos milênios o verdadeiro significado do Labirinto e do Minotauro, ele sempre foi a representação de nossas mentes encarceradas nos labirintos de nossas teorias, conceitos e probitismos e quem o vencer, será liberto, quem vencer seu próprio Minotauro interno se tornou um iluminado, aquele que encontrou sua bela Helena, sua alma adormecida na profundidade obscura dos cárceres e dos labirintos mentais que nós mesmos criamos.

Quanto mais desenvolvida for a mente dos homens no mundo das ilusões, dos desejos e dos egoísmos mais obscura, refinada, cruel e diabólica ela se tornará, mais departamentos e sessões especializadas nascerão, maior será o labirinto e mais difícil será o encontro divino de Manas, nosso Cavaleiro Guerreiro, com Bhuddi, nossa Alma divina, pura, santa, perfeita e iluminada.

Somente uma mente de criança, com a experiência de um Ancião sábio e atento, aliadas ao discernimento, a intuição e ao coração nos levará de volta aos paraísos do Ser, nos levará de volta aos paraísos secretos de nosso real e verdadeiro SER íntimo e interno.

Minotauro, o Guardião do umbral de nossas mentes, dogmáticas, sistemáticas e ignorantes.

O labirinto é um símbolo universal apareceu em várias culturas em diferentes épocas e lugares como Peru, Egito, Índia, Grécia, etc.


Os primeiros datam de 3.500 anos atrás e tinha um valor mitológico, eram feitas de pedra, ou em tecido com pedras no chão, mosaicos foram construídos e colocados em lugares de culto ou reapareceu em parques e jardins.aspectos do mundo humano, material e espiritual, foi explicado através de mitos expressos em termos arquetípicos: herói, deusa, mensageiros, sombras, demônios, anjos ... O mito mais famoso que fala do labirinto é a Teseu, o herói ateniense, assassino Minotauro, uma criatura com o corpo de um homem ea cabeça de um touro, preso no labirinto. A natureza construtiva do labirinto tem permitido a sua perpetuação através dos tempos. O labirinto é mais simples, mais o seu design parece inextricável, mas quando se inclui a desvendar, então você pode reproduzir fielmente o padrão indefinidamente.

Andando um labirinto, ou somente visualizando, ou andando com o dedos e também pode desenhar em forma de mandala, ou segui-lo em pé, se traçada no chão, é um exercício estimulante para o corpo e o espírito.

De fato, podemos ver a própria vida como um labirinto em que o homem deve ter um mapa para o seu centro.

O labirinto leva dentro de si, no sentido de uma espécie de santuário interior e escondido, que é a parte mais misteriosa da pessoa humana. Este não pode ser alcançado por outra consciência que após rodadas de comprimento, onde o homem deve exercer ambas as suas capacidades analíticas e de sua criatividade, intuição, onde todos é simplificada como para a iluminação. E neste lugar secreto que você vai encontrar a unidade perdida do ser que se tinham dispersado.

A chegada ao centro do labirinto, como no final de uma iniciação, introduz invisível em uma habitação que os artistas sempre à esquerda em mistério, ou melhor do que qualquer um poderia imaginar de acordo com a sua intuição.

O labirinto se torna um lugar de descoberta e crescimento. Convida para jornada do encontro ao centro. Penetrá-la, acessá-lo, é concordar em se perder tentando descobrir. É uma forma de iniciação, de uma viagem em si simbólica, por si só. Baseia-se no conceito de que o homem tem dentro de si o verdadeiro bem e o belo, que se esqueceu deles, mas que pode voltar a encontrá-los.

O labirinto seria uma combinação das duas razões para a "espiral" e "trança" e expressa o desejo de representar o infinito nos dois aspectos que ele tem para a imaginação do homem, que é o infinito perpetuamente na tomada da espiral o infinito e o eterno retorno representado pela trança.

A figura base para a construção de um labirinto é a cruz. A fim de criar um labirinto graficamente clássico, é necessário traçar uma cruz como na figura abaixo quatro pontos e do centro de cada um dos quatro cantos.






Segundo: Ligue as extremidade superior da cruz com o ponto do quadrante superior direito, formando uma espécie de gancho



Terceiro : Ligue a linha vertical da aresta do quadrante superior esquerdo com o ponto do quadrante superior direito.



Quarto : Volte ao ponto do quadrante superior direito e trace um arco ligado a linha horizontal da aresta do quadrante superior direito



Quinto: Ligue a linha horizontal da aresta superior esquerda numa volta ampla com o braço horizontal direito da cruz.



Sexto: Agora desenhe um arco desde o braço horizontal esquerdo da cruz, ligando-se à linha horizontal da aresta do quadrante inferior direito






Oito: Da linha horizontal da aresta do quadrante inferior esquerdo, desenhe um arco amplo para o ponto do quadrante inferior direito.



Nove: Ligue o ponto do quadrante inferior esquerdo com a linha vertical da aresta do quadrante inferior direito.






Dez: Por fim, ligue a linha vertical do quadrante inferior esquerdo por uma curva passando por cima do desenho até a extremidade inferior do eixo vertical da cruz.






Se achar difícil este de sete voltas pode desenhar o de três voltas .

Primeiro: Desenhe uma cruz e marque um ponto de cada lado





Segundo: Ligue a extremidade superior da cruz com o ponto do quadrante superior direito, formando uma espécie de gancho.




Terceiro: Volte ao ponto do quadrante superior e desenhe um arco para ligar com o lado direito da linha horizontal


Quarto: Una o lado esquerdo da linha horizontal numa volta larga por cima do desenho até o ponto do quadrante inferior direito,



Cinco: Por fim, ligue o ponto do quadrante inferior esquerdo com uma linha exterior ao desenho e até a extremidade inferior do eixo vertical.




Bibliografia: Labirinto- caminho para meditação e cura - Helen Raphael Sands editora:Madras.

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Numerologia Eletiva (escolha de uma data segundo os números)

Primeiramente é fato dizer que existem várias formas de obter a Numerologia. Assim como é verdade que os números são considerados como símbolos bastante significativos por quase todas as civilizações, geralmente representam a ordem, a harmonia cósmica e a perfeição universal.
Desde a Numerologia mais simples (aquela em que cada letra equivale a um número) até a mais complexa (que exige cálculos distintos) cabe a cada um de nós escolher e, claro, acreditar...  que nada tem a ver uma com a outra em sua maneira de fazer; entretanto o resultado de qualquer uma delas pode ser interpretado com o significado de cada número.
Qualquer uma delas nos ensina a interpretar os significados ocultos dos algarismos que nos acompanham desde o nascimento, revelando muito sobre o futuro, a felicidade e o sucesso pessoal de cada um de nós. Com a ajuda, de um especialistas, pode-se até mesmo descobrir qual a melhor data para marcar um casamento, ou um período mais favorável para uma mudança de profissão, ela permite que se conheçam nossos dias de sorte, para o jogo ou para o amor.

Explicarei através da data de nascimento  como na escolha de uma data, e o processo de cálculo tanto do ano de nascimento quanto do dia. Embora estas diretrizes que aprecem nas principais revistas em que são listadas as principais influências e regências dos números nos dias em que eles regem, alguns amigos e clientes pediram para que  criasse um guia.
Pois bem, segue abaixo as características dos números regente dos dias e suas principais influências, enfocando com mais detalhe amor e sexo, trabalho e dinheiro, pedras ou através das cores que deverão usar.
 Salientei também o modo como uma pessoa que esteja vivendo o número em desequilíbrio possa estar manifestando essas vibrações assim como os aspectos da saúde regidos por cada número!
Lembre-se de que isso é apenas um resumo das qualidades que cada número pode trazer para o seu dia!  
 Saiba, portanto que há muito mais para ser investigado e descoberto! 
Lembre-se também que a numerologia eletiva serve para escolher uma data específica para iniciar uma atividade, quer seja de trabalho, de estudo, família etc, mas que o dia nunca deve ser escolhido sem que, antes se conheça o mapa numerológico individual.
O que garantirá que os números escolhidos se harmonizarão com o mapa do cliente em questão.

Revisando:

 Necessário que descubra antes o seu ano pessoal, que é o resultado da soma do dia e mês do seu nascimento mais o ano do último aniversário. 
Assim: Uma pessoa que nasceu em 12/01/2013 
 1 + 2 + 0 + 1 + 2 + 0+ 1+ 3 = 19 = 1+ 9 = 10 = 1 + 0 = 1 –   Como ano pessoal 1 de um aniversário a outro.

O dia pessoal é a soma da data que você quer escolher mais o seu ano pessoal:
Vejamos 08/12/2013 = 0+ 8 + 1 + 2 + 2+0 +1 +3+(1 )(que é o ano pessoal que vimos antes) =18  = 1 + 8 = 9

Portanto, esta pessoa que está num ano 1, também está vivendo um dia 9, o que indica que apesar de ter um ano muito voltado para si mesmo e suas ambições, o dia de hoje sugere ampliar seu campo de visão e incluir temas mais humanitários em sua pauta.  

Vamos aos dias numerológicos:

Dia 1

 Excelente para começar coisas, agir e fazer confrontações, como falar com o chefe sobre um aumento, iniciar uma nova carreira ou inovar em qualquer setor da vida. É um dia cheio de energia e disposição. A liderança ou a presença de espírito podem ser requeridos nesse dia. Tomar a iniciativa e se colocar diante de uma audiência também são fatores possíveis durante este período. É momento para se impor e se fazer ouvir. Rege o cérebro, os olhos e ouvidos.

Amor/sexo – Desejo acirrado, ousadia para experienciar coisas novas, fazer o que se tem vontade. Dar vazão a energia sexual e aos desejos e fantasias que surgem. É dia de tomar a iniciativa. Sexo forte, amor intenso. No entanto pode trazer impulsividade, impaciência, pressa, e distúrbios sexuais decorrentes disso como a ejaculação precoce. Palavras ditas “sem cuidado” que podem começar discussões violentas e criar até rupturas súbitas e indesejadas!

Trabalho/dinheiro – Investimentos novos e estimulantes, explorar novos mercados ou modos novos de ganhar dinheiro ou de fazer o seu trabalho. Ideias brilhantes, insights. Ver uma oportunidade ou possibilidade de desenvolvimento que nunca havia visto antes (talvez ninguém mais). Por outro lado traz ansiedade, mau julgamento de oportunidade, sobrecarga por querer fazer tudo de uma só vez. Tensão e estresse mental.

Dia 2


Cooperação, atividade em parceria ou grupos. Ouvir a intuição e a voz interior, seguir pressentimentos. Buscar conselhos com pessoas que pareçam mais qualificadas para dar esses conselhos. Necessidade também de ouvir ou de auxiliar o outro de algum modo. Busca por aconchego, ou dar aconchego e colo para quem precise. Refletir com calma antes de agir. Aprender a adaptar-se às circunstâncias. Rege estômago, intestinos e órgãos reprodutores.

Amor/sexo – Romantismo, cuidado, generosidade, gentileza, serviço amoroso, satisfação em satisfazer. Necessidade de estar perto de quem se ama ou da família. Sexo de forma mais suave passiva ou submissa. Sexualidade que expressa afeição profunda! Em desequilíbrio pode indicar insegurança, desconfiança, dependência, sensibilidade excessiva do tipo que se magoa fácil feito um bebê! Detalhista, vira sua dor em crítica. Oscilação de humor. Perdas afetivas.

Trabalho/dinheiro – Traz o apoio de pessoas em posição superior. Encontrar apoio, colaboradores ou investidores para um projeto. Reconhecimento ou aceitação junto a um público! Fama, desenvolver um estilo marcante. Negativamente pode indicar estranhamento entre as partes de uma empresa ou sociedade, demora, respostas demoradas, incertezas nos investimentos. Instabilidade nos negócios, falta de resolução e decisão diante das crises.

Dia 3


Comunicação, criação artística de todo tipo. Expressão dos sentimentos e ou pensamentos. Usar de imaginação para resolver crises ou solucionar problemas. Explorar novas perspectivas ou ambientes visando um aprendizado, ou oportunidade de crescimento pessoal ou material. Dia marcado pela boa sorte, ou sincronismos felizes que nos guiam ao ponto que desejamos. Conhecer pessoas, fazer amigos, divertir-se, brincar. Rege o fígado e a disposição física.

Amor/sexo – Aventura a dois, descoberta sobre a própria sexualidade e ou a do parceiro. Amor e erotismo sem culpa. Jogos sensuais, exercícios de sedução, brinquedos eróticos. Experiências de todo o tipo como uma exploração da sexualidade. Negativamente pode indicar o fetiche como um traço de ansiedade compulsiva não só de satisfação, mas por diferenciação! Dificuldade de criar vínculo, ou de responsabilizar-se por um relacionamento ou por suas ações.

Trabalho/dinheiro – Sorte, dia bom para atrair oportunidades e investidores. Tentar a sorte, jogar na loteria. Bom para pedir emprego, e conectar-se com pessoas mais influentes ou poderosas (network). Fazer negócios com terras distantes, ou no estrangeiro. Bom para iniciar estudos. Trabalhos com arte, ensino e comércio de todo o tipo! Negativamente são os gastos excessivos, sem planejamento. Perdulário eufórico ou investidor impulsivo e inconsequente.

Dia 4


Cuidados com a vida prática, organizar o trabalho, a casa, as finanças. Cuidado também com a saúde. Trabalhar, produzir. Atividades que envolvam empenho ou disciplina física. Ação prática, tirar projetos do papel e realizá-los ou encaminhar sua realização. Levar as coisas a sério. Ser ou estar compenetrado numa atividade. Construir, criar bases, ser pragmático, direto, honesto e transparente em suas ações e intenções. Rege músculos e articulações.

Amor/sexo – Amor que se expressa através de atos de apoio e proteção mais do que de palavras. Cuidado com os seres amados. Amor companheiro do tipo “conta comigo!”. Sexo forte, físico, com pouca ou nenhuma preliminar, podendo ser brutal! Negativamente traz dureza nas palavras e nas ações. Rispidez, ser ou estar calado e frio em demasia nos contatos com os entes queridos! O tipo frio e controlado que não demonstra seus sentimentos.

Trabalho/dinheiro – Dia de ver os esforços dando resultado! Recompensas que vem depois de muito trabalho. Ordem nas finanças, conseguir um grau de trabalho que representa estabilidade e segurança, como passar em concursos públicos ou ser promovido. Negativamente traz o caos, desemprego, bagunça financeira ou profissional, méritos não reconhecidos, estresse, mal estar físico, doenças psicossomáticas.

Dia 5



Mudanças que ocorrem de modo imprevisto podendo ser inclusive muito oportunas, como viradas de sorte que se mostram benéficas com o tempo! Viagens, mudanças de casa ou de trabalho. Negócios, pessoas, ou relacionamentos inusitados. Aventuras, surpresas boas e más. Recebimento de notícias impactantes. Agitação, movimento, propostas ousadas, ou simplesmente incomuns. Rege a circulação, tendões, membros, doenças sexuais e vícios!

Amor/sexo – O sexo visto como uma brincadeira, explorar atividades e modalidades sexuais diferentes. Sexualidade intensa de modo muito instintivo. O amor fica leve, como um namoro de adolescentes, divertido e nada rotineiro. Negativamente é a falta de comprometimento, traz infidelidade e mentira como uma forma de adquirir emoções imediatas baseadas na aventura e na adrenalina. Promiscuidade, emocionalmente infantilizado.

Trabalho/dinheiro – Dia de cavar, ou de encontrar simplesmente, oportunidades de negócios ou investimento. Oportunismo econômico para aplicações. Comércio, trabalho ou negócio que envolve movimentação, como viagens curtas ou longas. Negativamente traz grandes perdas financeiras, perdas em desastres naturais ou causados por acidente ou conflito! Os acidentes e todo o tipo são deste dia, desde torcer o pé na rua a botar fogo na casa por descuido.

Dia 6


É um dia para buscar a harmonia interior ou do ambiente, cercar-se de beleza, e das coisas e pessoas que significam algo para si (família, amigos etc). Ficar em casa ou num ambiente prazeroso e aconchegante. A expressão as emoções através da arte, que vai da culinária à pintura em tela! Cuidados com a saúde de forma mais holística, receber massagens, tratamentos naturais... No corpo rege os pulmões e as vias respiratórias como um todo!

Amor/sexo – Amor suave, romântico, mas maduro e responsável. Criar vínculos com o outro sem problemas. Inclusão de mais pessoas no amor no sentido de se aproximar de amigos e parentes da pessoa amada. Sexo muito sensual e afetivo, beijos, toque intenso, muitas preliminares! Negativamente é o conservadorismo, o preconceito e o pudor desmedido! Ciúmes doentio, posse. Crises com a família, rupturas ou perdas na mesma!

Trabalho/dinheiro – Trabalho em sociedade com parentes e amigos fica enfatizado. Receber ou dar ajuda financeira. Investir em arte, imóveis, lazer e ou beleza é uma possibilidade. Recebimento de heranças ou benefícios. Aquisição de bens e imóveis. Negativamente traz preguiça e dependência financeira. Gosto por coisas caras que estrangulam o orçamento. Assuntos relacionados com a casa ou a família que mexem com as finanças.

Dia 7


Reflexão, retiro, interiorização para organizar seu mundo interno ou externo, seja como for é sempre precedido de introspecção e certa angústia. É um dia para os temas da alma e pouco recomendável aos temas mais práticos! Investigar, estudar, ou desvendar as disciplinas mais profundas do conhecimento humano é para esse dia. Todos os tipos de erudição intelectual, espiritual estão sob esta regência. No corpo rege o sangue e o sistema imunológico.

Amor/sexo – Sentimentos profundos e difíceis de serem compartilhados através de palavras. Ligações espirituais profundas e talvez complicadas. Tempo de fazer confissões, assumir fantasias. O sentimento de amor pode ficar muito profundo e talvez até etéreo. No sexo pode haver por um lado a sublimação dos instintos e por outro e emersão de aspectos sombrios da sexualidade ligados a abusos do passado e a deturpações emocionais.

Trabalho/dinheiro – Achar falhas nas finanças, auditorias para se encontrar “furos”. Lançar produtos ou serviços raros, refinados ou muito especializados que não são do interesse ou do alcance da multidão. Trabalhos com temas ligados à espiritualidade e ao autoconhecimento são favorecidos. Negativamente traz muito idealismo, confusão ao lidar com dinheiro e coisas práticas. Crítica excessiva que perde a visão do quadro geral e trava o progresso.

Dia 8


Organização das finanças, ou de assuntos legais ou burocráticos. Tudo o que tem a ver com colocar ordem no sentido de causar efeitos não apenas no momento, mas também para o futuro. Assumir responsabilidades, cargos ou situações de controle ou chefia. É um dia de tratar de coisas sérias e de ser sério! Avaliar todas as ações e suas consequências antes de decidir. No corpo rege os ossos, os dentes, a coluna e a pele.

Amor/sexo – Amor protetor, sério, comprometido. Relacionamentos que criam bases sólidas para se desenvolver. Relação que assinala afeto com presentes e dádivas. O sexo pode ficar dominador por parte de um dos parceiros, intenso e um tanto brutal, mas pouco afetivo. O amor pode ficar automatizado ou virar uma via de mão única. Pode haver um distanciamento entre os parceiros que deve ser reparado para que a relação não feneça.

Trabalho/dinheiro – Dia bom para tratar de temas práticos. É produtivo e promissor em assuntos financeiros e profissionais, traz ganhos e ascensão profissional. Reconhecimento e lucros. Promete êxito em assuntos materiais e jurídicos. Bom para fechar negócios que visam desenvolvimento em longo prazo. Quando vibra negativamente traz perdas financeiras, roubos, fraudes. Negócios que quebram ou acordos que não são cumpridos.

Dia 9


Trabalhos humanitários ou ambientais são favorecidos neste dia, bem como a preocupação com os temas ligados a política, direitos humanos, filantropia etc. Nesse dia a consciência tende a se dirigir para os temas engrandecedores da vida! Viagens que tem como objetivo o crescimento pessoal para intercambio cultural, ou viagens místicas, por exemplo. Os interesses da humanidade ou dos desfavorecidos (até na família ou no trabalho) são mais relevantes. Rege as glândulas, o sistema linfático, venoso e nervoso central. Vícios também são do 9.

Amor/sexo – O amor ganha uma conotação de alma, mais profunda do que os laços usuais como química sexual ou atração pela aparência física. Os parceiros podem se ver num dia assim como almas companheiras que muito tem a dar e oferecer um ao outro! O sexo ganha uma conotação quase mágica e muita intuitiva sobre “sacar” o outro. Negativamente os temas românticos perdem espaço para os problemas dos outros ou do mundo. O tipo que faz caridade na rua, mas em casa...

Trabalho/dinheiro – Tudo o que tem a ver com expandir fronteiras, mercados, atingir um número maior de pessoas. É um dia para trabalhar a divulgação num nível superior de um produto ou serviço. Colher os frutos de um processo, concluir obras, estágios. Tudo o que estiver ligado ao meio ambiente, espiritualidade, arte, cultura em geral e serviços que visam elevação da qualidade de vida e o bem estar do próximo estão favorecidos neste dia.

MAGIA E SIGNIFICADOS DOS NÚMERO

Os números podem nos revelar uma visão profunda da Obra do Grande Arquiteto. Presentes nas pétalas de uma flor, ou na estrutura de um cristal de gelo, eles podem nos mostrar a magia da vida e a essência da harmonia cósmica e interior, exprimem ideias e nos revelam relações. Nos números se escondem forças desconhecidas...
Pitágoras nos mostrou que “tudo está arranjado de acordo com o número”. Sem o entendimento mais profundo do significado dos números, deixamos de perceber certas conexões surgidas em nossas vidas. O conhecimento das forças expressas pelos números pode descortinar um horizonte amplo e repleto de significados em nossa busca.
É importante saber associar os números certos aos nossos propósitos. A verdadeira ciência dos números não é divinatória, é arte e magia que integra o ser humano à Natureza.
0 (zero) – Anterior ao próprio número 1, vem o número zero, que simboliza o começo absoluto, o vazio, o nada, a ausência, o valor inexistente, ele antecede a todos os outros números. Representa o círculo, o ovo primordial, a unidade imanifesta, a eternidade. Simboliza todas as potencialidades, a super consciência, o poder vital livre, o intervalo da geração. Está relacionado com o Arcano do Louco, no Tarô.

1 – O princípio ativo, celeste, o centro, a essência, o criador, o ponto irradiante, o masculino, a luz, o Yang, o homem de pé, o Sol, o primeiro movimento. Símbolo do Ser e da Revelação. Simboliza a unidade, a onipotência divina, o princípio de todas as coisas, a individualidade, a espontaneidade, a força de vontade, a energia e a criatividade. É o início de tudo, são as novas oportunidades, a busca do inusitado. Ele traz coragem, dinamismo, independência, é um número forte.                                                                          
O seu lado negativo pode gerar um excesso de confiança e acabar transformando a liderança num domínio muito autoritário.

2 – O primeiro passivo, terrestre. o Yin, o reflexo, a duplicação, a alternância, o feminino, a primeira divisão em direção a multiplicidade. Representa a Lua, a complementação, a substância que recebe a essência. Simboliza a duplicidade, a dúvida, a discórdia, o antagonismo, mas também o equilíbrio, o movimento que constrói o progresso. É a manifestação das oposições, do criador e da criatura, da vida e da morte, do céu e da terra, do ativo e do passivo, do homem e da mulher, do bem e do mal. É o número do equilíbrio, do senso de justiça e do crescimento espiritual. Ele confere gentileza, compreensão e sabedoria. Sua influência traz grande capacidade de adaptação e a busca de harmonia nos relacionamentos.                                    
O seu lado negativo é a passividade, que pode acabar por aceitar todas as imposições alheias.

3 – A síntese, a solução do conflito dual, o número da expressão da totalidade, da perfeição da união do 1 com o 2, nada pode ser acrescentado a ele. O triângulo, algo muito firme em sua base. Os Três Mistérios. O triângulo mágico. Representa o homem, enquanto filho do Céu e da Terra.                                              É ligado a comunicação e a espiritualidade. Em quase todas as religiões, existe uma trindade divina, representada por uma divindade masculina, uma feminina e um “filho”, fruto dessa união. O ternário é o dogma universal. Sugere também a intuição, a ação, o progresso, a liderança. Número da comunicação e da alegria de viver. Normalmente traz facilidade no contato com os outros e indica grande talento, principalmente nas artes da oratória e da literatura. É carregado de otimismo e despreocupação.                   O lado negativo mostra que ele pode acabar dispersando todo esse talento de forma superficial, sem construir nada de significativo.

4 – O sólido, o tangível, o terrestre o que foi revelado. Relaciona-se ao quadrado e à cruz. Caracteriza o universo em sua totalidade, com os quatro pontos cardinais, os quatro elementos, etc. Quatro Virtudes. O quadrado mágico. É um número de limitação, acomodação, de ligação com a realidade. Está associado à Terra. Gera estabilidade e segurança material. Sugere também o poder, a força de vontade e a certeza “material”. É o número do equilíbrio, da decisão e da seriedade. Tem grande senso de responsabilidade, apego à rotina e às tradições. Está ligado ao trabalho, à dedicação e à capacidade de construção.          
O seu lado negativo aparece quando ele põe toda a sua potencialidade no sentido de destruição. Nota: o nome Deus é escrito com 4 letras em diversos idiomas...

5 – A união, centro da harmonia e do equilíbrio, o homem. Simboliza a vontade divina, os cinco sentidos, as cinco formas sensíveis da matéria. O pentagrama, a flor de cinco pétalas no centro da cruz hermética. É o número do casamento, do centro, a soma do primeiro número par 2, com o primeiro número ímpar 3, uma vez que o número 1 não é considerado. No hinduísmo, o cinco é o princípio de todas as coisas. Simboliza síntese e união. Sugere um desprendimento da matéria para se voltar mais à espiritualidade.                            E está associado à bondade, à generosidade e o perdão. Também é o número da rebeldia, da aventura e da curiosidade. Está muito ligado aos prazeres, especialmente aos relacionados aos sentidos. Ele confere geralmente rapidez de raciocínio, amor à liberdade, às mudanças e boa capacidade de adaptação.
 O lado negativo se dá quando ele não assume as responsabilidades ou quando usa seus atributos para enganar ou ludibriar os outros.

6 – Os dons recíprocos, o bem e o mal, o antagonismo, o macrocosmo. Simboliza a perfeita criação, tal como é vista no selo de Salomão (a estrela de seis pontas). Relaciona-se a besta do Apocalipse, pois na Bíblia é o número do pecado. É o número do amor, da emotividade, dos laços, da doação, da ternura, da escolha, das dúvidas. É o número do amor ao belo, do idealismo e do romantismo. Traz simpatia e afetuosidade, mas também um grande apego às tradições e à família. Quer sempre ter beleza e harmonia ao seu redor.                                                                                                                                              
 Seu lado negativo aparece quando quer impor seus próprios ideais a todos os outros.

7 – A totalidade do universo em movimento, os 7 dias da semana, os 7 planetas visíveis, as 7 cores do arco-íris, as 7 notas da escala musical diatônica, os 7 Sacramentos, os 7 gênios, os 7 anjos que conforme o Apocalipse, estão sempre diante do trono de Deus. Simboliza o dinamismo resultante, a aliança de Deus com a humanidade. Representa a plenitude, a individualidade, a riqueza, a perfeição, o período completo ou o ciclo completo. Está associado à Lua (cada fase lunar dura sete dias) e é tido como um número sagrado. Representa as más influências da vida agindo sobre o indivíduo e a certeza de ultrapassar estas barreiras e de vencer o ciclo natural do bem e do mal, assim completando e findando o ciclo promete a certeza da realização. É o número da espiritualidade, do misticismo e da introspecção. Tem muita sensibilidade, fantasia e criatividade, mas sempre voltadas para si próprio. Conduz à busca da tranquilidade e da paz interior            O lado negativo é a instabilidade emocional e a tendência a dar muita importância à fantasia, afastando-se da realidade externa.

8 – O equilíbrio cósmico, o número dos raios da roda, a ressurreição, a transfiguração, que sucede aos 7 dias da Criação. Símbolo da eternidade, matematicamente representado pelo número 8 na horizontal (lemniscata) é a clássica representação do infinito, a comunhão perfeita entre o consciente e o inconsciente e do conhecimento esotérico. Representa a harmonia da obra terminada. É o número da ordem e do equilíbrio cósmicos. Está associado às ideias de justiça e harmonia. Sugere a imparcialidade e a capacidade de julgar seus atos como dos outros. Representa também a força moral e a integridade, o equilíbrio entre o bem e o mal. Número do equilíbrio material e espiritual, da capacidade de administração e do trabalho duro. Traz uma grande possibilidade de realização financeira. É organizado e realista.                                                       Seu lado negativo pode surgir quando ele se volta somente para o aspecto material, abandonando o espiritual.

9 – A gestação, a busca proveitosa, o término de uma obra, a recompensa final. É o número da plenitude, das esferas celestes, dos coros angélicos (no Cristianismo é o número dos coros dos anjos celestiais), das musas. Quadrado de 3, representa a universalidade – símbolo da Fé Bahai. Sendo o último número de um algarismo, ou o último do ciclo, ele traz uma visão mais ampla do mundo e das pessoas, relaciona-se ao fecho do círculo. É considerado no esoterismo, o número da perfeição e está associado a perfeição moral e ao consciente, trazendo assim o conhecimento, a sabedoria, a paciência, o senso, a dedicação e a prudência. É o número do humanismo, da generosidade, tem uma forte intuição e imaginação. Geralmente gosta de grandes viagens.                                                                                                                           
O lado negativo vem quando a capacidade de compreensão da vida é mal aplicada, servindo para fins prejudiciais.

10 – Representa o ponto final das unidades e portanto, o retorno ao ponto de partida, ao número 1. Esta associado aos elementos naturais da vida, o bem e o mal, a vida e a morte, as alegrias e as tristezas, assim o mundo vira, assim a vida gira tendo seus altos e baixos, e assim o ciclo continua terminando uma fase e começando outra.. É a soma dos quatro primeiros números, onde está a fonte da natureza, da qual tudo flui e para a qual tudo retorna,os 10 Mandamentos, as esferas da Árvore da Vida.                                         
 Sugere mudanças e faz parte do destino  Representa a totalidade, um todo fechado em si mesmo, a volta à unidade.

11 – Número dos mistérios da fecundidade, da renovação dos ciclos vitais. Soma de 5 e 6, representa a ligação do Céu e da Terra (o Tao). Relaciona-se as palavras “abracadabra” e “alendalenda”, usadas como proteção, capazes de colocar aquele que busca em harmonia, com as forças cósmicas e telúricas. O onze é considerado de maneira à parte e é chamado de número mestre. Sua energia é muito forte, ele permite uma mente intuitiva, criativa, progressista e idealista, que normalmente consegue ver além das aparências.             O seu lado negativo aparece quando ele não consegue administrar todo esse potencial benéfico e acaba se perdendo na busca de um “paraíso fácil”.

12 – Número das divisões espaço temporais. Casamento do 3 (os planos do mundo) e do 4 (os pontos cardeais). O Universo e sua multiplicidade interna. Algo fundamental. O Zodíaco (os doze signos), os 12 Apóstolos, as 12 tribos de Israel, os 12 meses do ano, os 12 Cavaleiros da Távola Redonda. É o número da eleição, do círculo concluído.
Representado pelo Enforcado, no Tarô.

13 – Na Antiguidade o número 13 tornou-se de mau agouro, depois que o Imperador Felipe da Macedônia acrescentou sua estátua às do doze deuses do Olimpo. Logo em seguida, ele foi brutalmente assassinado. É ambivalente, o décimo terceiro capítulo do Apocalipse refere-se ao anticristo e à besta. Em contra partida, Zeus é o décimo terceiro no cortejo olímpico. Relaciona-se à noção de poder e glória. Anuncia o recomeço. Existem treze cartas de cada naipe no Baralho. Jesus e os 12 Apóstolos. Jacó e as 12 Tribos de Israel. O Rei Arthur e os 12 cavaleiros. Robin Hood e seus 12 alegres companheiros.
Simbolizado pela Morte, no Tarô.

14 – Representa a perfeição também (= 2 × 7).
Representa a Temperança no Tarô

16 – Quadrado de 4, o quadrado do quadrado, representa a completa realização no plano concreto e material. Pode simbolizar o extremo orgulho, o poder sem controle, o abismo. O dobro de 8, relaciona-se aos ciclos de encarnação.
Representa a Torre no Tarô

17 – Número venerado no Islã, soma de 8 e 9, relaciona-se ao 72 (produto de 8 e 9). São 17 os gestos litúrgicos na tradição muçulmana, 17 palavras compõem o chamado à prece.
A Esperança no Tarô. Associa-se às ideias de liberação cármica, mutação e renascimento.
20 – O Homem Perfeito, para os maias representa a Deus Solar, número cultuado por várias tradições indígenas por estar associado aos 20 dedos humanos.
  Simbolizado pelo Julgamento, no Tarô.
21 – Os atributos da sabedoria, a perfeição por excelência, a livre escolha, entre bem e mal, a responsabilidade. Curiosamente escolhido como marco da maioridade para muitos povos. Evoca a realização, a meta alcançada, a plenitude.
No Tarô é o Mundo.
22 – A manifestação do ser no espaço e no tempo, as 22 letras hebraicas que representam o Universo da Cabala, símbolo das formas naturais e da história da Criação. Os 22 Arcanos Maiores do Tarô, os 22 capítulos do Apocalipse de São João. É o número do Universo. Este também é um número mestre, que além de conferir uma excelente compreensão do universo, permite a concretização dos ideais. Ele traz ainda uma grande dose de intelectualidade, o que equilibra a sua parte idealista.
O lado negativo deste número só aflora quando ele abandona suas próprias convicções e se deixa levar pelas ideias alheias.
24 – Representa a duplicação da harmonia entre Céu e Terra. Simboliza também a roda dos renascimentos, com seus 24 raios. É o número dos anciãos do Apocalipse, na Bíblia, relaciona-se com a medida da história humana.
36 – Relaciona-se ao encontro dos elementos em suas evoluções cíclicas, simbolizando a solidariedade cósmica. É o grande quaternário dos pitagóricos, pois é a soma dos quatro primeiros números pares com os quatro primeiros números ímpares (20 + 16). Existem 36 talismãs de Salomão.
40 – É o número da provação, do castigo, da espera e da preparação. Moisés passa 40 dias no Monte Sinai, Jesus prega por 40 meses e ressuscita depois de 40 horas no sepulcro, Noé enfrenta 40 dias e 40 noites de dilúvio. Medida de quarentena, do resguardo e da quaresma. Existem 40 cartas numeradas dentro do Baralho Cigano, durante 40 anos os israelitas vagaram pelo deserto à procura da Terra Prometida.
49 – Quadrado de sete, representa, em diferentes tradições, o período de espera para a alma de uma pessoa falecida ganhar definitivamente um novo lar. Simboliza o final de uma longa jornada, ou o término de um tempo de espera.
64 – Quadrado de 8, representa a realização terrestre, a perfeição de algo completo, a plenitude. Associa-se também ao campo delimitado de batalha, representado pelo tabuleiro de xadrez. Jesus Cristo seria a sexagésima quarta geração depois de Adão, segundo São Lucas.
70 – Como todos os múltiplos de 7, relaciona-se à totalidade, à universalidade, à expressão do ilimitado. Representa os habitantes do mundo, os 70 povos da Terra, dispersos após a construção da Torre de Babel.
72 – Produto de 9 e 8, números relacionados à harmonia das esferas, representa equilíbrio e proporção. Símbolo da Criação (7) manifestada, em perfeito equilíbrio (2). A soma de seus algarismos é 9 e são 9 os números dos quais é múltiplo: 2, 3, 6, 8, 9, 12, 18, 24, 36.
99 – Na tradição esotérica islâmica (o sufixo) é o número dos nomes conhecidos de Deus. Múltiplo de 33, idade mística de Jesus Cristo, carrega em si a revelação, a expressão do Divino na humanidade.
100 – Parte do todo, conjunto que se destaca num todo maior. Microcosmo inserido no macrocosmo. Porção individualizada, que possui função específica dentro do contexto mais amplo. Atribui uma qualidade específica ao que é enumerado.
108 – Como o 36 (número do céu) e o 72 (número da terra), o 108 (número do homem) é muito apreciado por várias sociedades secretas. Representa a harmonia. Podemos encontrá-lo no triângulo isósceles (com 108 graus), que dá as proporções do número de ouro.
365 – O processo cíclico completo, representa o ciclo cósmico. Se acrescentarmos uma unidade representará a saída do círculo, a abertura que possibilita escapar do ciclo, da permanência para a eternidade.
666 – O número do Anticristo, o máximo da fraqueza.
777 – O número do Messias, o máximo da perfeição.
1.000 – Significa multidão.
10.000 – Simboliza a abundância, a fecundidade. Na China, representa a totalidade de tudo que há sobre a Terra. Relaciona-se à quantidade que não pode ser contada. Refere-se também ao reino de Cristo, onde cada semente produzirá dez mil grãos.

terça-feira, 22 de outubro de 2013

A Alquimia Interior


"Todo o processo da Obra Filosofal não é mais do que uma dissolução do corpo e solidificação do espírito.”(J. d’Espagnet, 1730)

Introdução

Durante séculos a figura de homens encapuzados, trancados em laboratórios secretos onde tentavam produzir a Pedra Filosofal instigou a imaginação dos curiosos. Pouquíssimas evidências de que se pudesse realmente produzir ouro, como acreditavam os curiosos, foram encontradas. Na verdade, hoje se entende que a Alquimia podia ser material ou espiritual, pois os anos de estudo para a realização da Obra completa no laboratório promoviam uma transmutação mística no alquimista, que atingia o ouro da espiritualidade pura. Muitas escolas modernas têm deixado a atividade laboratorial em segundo plano, frisando que a alquimia interior espiritual é o objetivo real, mais importante, mas no oriente a busca maior era pelo medicamento universal, que traria a imortalidade., surgiram escritos ocultistas correlacionados a alquimia, advindos de sociedades secretas que diziam ter conseguido a reprodução da Pedra Filosofal, bem como a confecção do Elixir da Longa Vida. Tais sociedades, muitas vezes grafavam em pranchas iconoclásticas e em textos simbólicos, os procedimentos descritivos das vias, dos processos e elementos utilizados para atingir a Magnum Opera, tentando dar um caminho gnósticos a possíveis buscadores, de forma a isolar os chamados sopradores.
Nestes registros se tornaram muitas vezes indescritíveis para o leigo, parecendo até mesmo para sérios estudiosos ocultistas, verdadeiros solilóquios indecifráveis, ou grandes embustes.A maneira descritiva dos alquimistas medievais revelava um caminho solitário, fruto do desvelamento místico que o buscador opera na medida em que se aproxima do encontro com o Sagrado Anjo Guardião. Neste encontro, o simbolismo místico interior, flui por sua própria via, desvelando para a consciência objetiva, o trabalho alquímico subjetivo de retorno a fonte de vida universal.
 Carl Gustave Jung chamou processo de individuação, termo psicológico que representa a transcendência da consciência para os planos do inconsciente coletivo, identificando-se com os arquétipos originais, que encontram no indivíduo um canal de desvelamento próprio na constituição do chamado Self.
Vitriol.
Esta dialética entre consciência e inconsciência, foi registrada continuamente pelos alquimistas medievais e se tornava uma linguagem obscura para aqueles que não compreendiam os princípios básicos alquímicos. O Ser Humano se transformou no sagrado cadinho, contendo os 7 elementos alquímicos, que através das influências cósmicas, experimenta no viver e nas relações propiciadas por ela, as diversas formas de manifestação de seu Ego, transmutando-se na Pedra Filosofal que tudo sublima. Foi a este processo que Basile Valetim batizou de V.I.T.R.I.O.L.
A tradução ocultista do Vitriol é "Visitae Interiore Terrae et Retificando Invenias Ocultum Lapidem", isto é, Visita o Interior da Terra e Retificando-te, Encontrarás a Pedra Filosofal". A primeira vista tal expressão nos remeteria a um complicado processo alquímico, ou até mesmo a subjacente intenção de Valentim a representar uma substância alquímica... Não podemos descartar este fato!!! No entanto, nem mesmo a concepção vulgar que atribui uma acepção física ao Templo de Salomão é satisfatória, se não surgir de imediato uma analogia ao processo de integração da consciência do próprio indivíduo.
 Vitriol representa o incômodo mergulho nas profundezas do Ego, daquilo que é objetivado nas paixões através do desejo, e que simbolicamente nos remete a concepção mítica dos diabos e demônios que deveriam ficar excluídos no Inferno.O contato com a "Terra" e a "Retificação do Humano" para "Encontrar a Pedra Filosofal", encerra uma sutiliza alquímica desapercebida pelos curiosos. Apenas encontramos a Pedra Filosofal, quando compreendemos, aceitamos e encaminhamos a "materialidade" que nos compõem, porque enquanto sujeitos, a auto-imagem que compomos do nosso Ser, é um conjunto do Enxofre (matéria), do Sal (Alma) e do Mercúrio (Espírito), e somente através da alquimia interior é que podemos juntar o partido, transformando a Pedra Filosofal.
A Pedra Filosofal e A Iluminação
Foi assim que יחאזח encontrou Lúcifer (o portador da Luz) e Satanás (o adversário), conseguindo emanar de si a personalidade fruto do seu processo pessoal de Alquimia Interior, fazendo-o atingir o seu verdadeiro estado de Ser. Mas, Jóshua ou Iéschuá, não foi o único iluminado a descobrir as propriedades da Alquimia Interior... Se buscarmos referências dos chamados Avátar em nosso orbe, veremos que todos eles buscaram a sagrada Alquimia entre a Terra e o Céu que nós somos, ascendendo as velas no Templo Interior da Alma, para que pudesse ocorrer a ascese mística, o estado de plenitude que nos faz vibrar em Harmonia, Amor, Verdade e Justiça.Cada um utilizou o laboratório que teve em suas mãos... Montanha, deserto, abismos ou mar...
 O abismo ou mar representando o mergulho profundo em sua própria alma, levando o indivíduo a Iniciação.
 A montanha representando a necessidade de enxergar além, propiciando ao indivíduo a Elevação. 
O deserto representando a expansão de domínios, remetendo-nos a Exaltação.Observa-se que todos eles traziam em si a marca da Pedra Filosofal... 
Dizem que eles eram capazes de realizar milagres, dizem que conseguiam alterar as propriedades da matéria, dizem que conseguiam ludibriar a morte... Tudo isto é possível de ser verdade, mas nada disto é significativo quando falamos de Alquimia Interior. O sentido de identificação e a noção de reintegração destas consciências consigo mesmo e com o universo ao seu redor, é que parecia que dava mais sentido a elas de buscarem a sua integração com o Todo, fazendo-as atingirem estados de consciência que propiciavam a noção de Unidade. Isto é o que equivale ao ditame alquímico medieval: "Transmutati in lapis philosophorum".
Jung comentava em seu livro "Psicologia e Alquimia", que a Humanidade tem uma natural propensão aos estados alquímicos que lhe remetem a individuação. O inconsciente coletivo tende a se tornar cada vez mais convidativo a consciência, que nesta dialética permite que extravasse nos sonhos, o simbolismo sagrado da sua jornada interior, condensação.Quanto mais esta dialética se torna clara, mais criativo se torna este indivíduo, dando a sua marca pessoal em suas produções, pois permite extravasar de si o conjunto sintagmático subjetivo que o compõe e o define. Foi exatamente isto que os alquimistas medievais grafaram em seus trabalhos alquímicos como resultado da experimentação desta relação, tanto através da prática quanto da filosofia alquímica, da chamada Senda Mística ou Union Mistique.
A pedra filosofal é o resultado desta busca, fruto do casamento alquímico entre Marte e Vênus, conjunção que resulta em Mercúrio, sublimado. Não surge como por encanto, é o resultado de uma busca incessante, gradual, que deve ser orientada por um Mestre e vivenciada por um Aprendiz, mesmo que estes papéis sejam apenas aspectos da própria personalidade, que busca a psicossíntese.
O transeunte da Senda não é um iluminado, muito menos uma Pedra Filosofal, porque na conciliação das diferenças, ele deixa extravasar de si as diferenças, as confusões, os abismos mais profundos, as montanhas mais elevadas e os desertos mais isolados. Não raro nos deparamos com posturas díspares de um suposto iluminado... O senso comum opta pelo mais fácil, o julgamento, a estereotipação. 
O estudante ocultista vê nisto a oportunidade de compreender o seu próprio caminho, retirando através da reflexão o ensinamento necessário para dar o próximo passo em direção a sua verdadeira Vontade. A crítica por si só não é um instrumento valioso para um buscador, porque através dela surge o olhar enviesado pela perspectiva de uma crença, impedindo a verdade, que é pluridimensional, de surgir. A verdade não se apresenta como um recorte, ou como uma perspectiva, mas justamente pela integração destas.
Os próprios alquimistas citavam o deus egípcio Toth, que os gregos chamavam de Hermes (Hermes Trimegisto) como o pai da ciência. Cercada de mitos, a existência de Toth para os gregos e egípcios era tão importante que ele era chamado de pai da escrita, da ciência e da medicina. Por causa do nome Hermes a alquimia também ficou conhecida como arte hermética ou ciência hermética.

Diz-se que da palavra Al-Khemia (Khemi era o nome do Egito antigo na língua nativa, e Al-Khemia significaria “a egípcia”) deriva o nome da Química moderna, e é fácil ver a relação entre os laboratórios dos alquimistas e os laboratórios químicos modernos, com fornos, retortas e tubos.
Conclusão
O buscador reflete através de seus pensamentos, palavras e sentimentos, atitudes que revelam a sua relação consigo mesmo. Tais relações apontam para a Jornada Mística ou Alquimia Interior que foram registradas pelos alquimistas através das suas pranchas e de seus escritos alquímicos. É bem verdade que a prática alquímica continha um caminho prático e uma filosofia, tornando-se muitas vezes obscura a sua interpretação, e em função disto, estas concepções traduziam muito mais a percepção e a experiência de um alquimista ou um grupo de alquimistas, do que uma escola de pensamento alquímico.
O estudante contemporâneo das práticas alquímicas deve ter o cuidado ao olhar tais princípios, compreendendo que a alquimia traduzia também uma concepção especulativa de viver, além de uma prática manipulativa de elementos e uma forma operativa de processos. Ciente disto, é possível que o estudante alquimíco se transforme em um verdadeiro buscador e não um Soprador seduzido pelo "ouro dos tolos".